All posts by Vicente de Oliveira Bessa Junior

pietá

A escultura Pietá, de João Turin, resistiu aos bombardeios de uma guerra e foi encontrada em 2013; um exemplar está exposto no Memorial Paranista, no Brasil

By | Geral | No Comments

Obra feita na França resistiu a uma série de bombardeios da Segunda Guerra Mundial e foi dada como perdida por quase 70 anos, até ser encontrada e ganhar uma reprodução em bronze no país onde nasceu seu autor, em um intenso trabalho de resgate artístico

Entre as muitas obras de João Turin (1878-1949) expostas no Memorial Paranista, criado em sua homenagem no Brasil, uma delas chama a atenção não só pela expressividade, pelos motivos religiosos, mas também por ter sido realizada na França por um artista brasileiro. Trata-se de uma Pietá, que até alguns anos atrás era dada como perdida, pois se imaginava que havia sido destruída por um bombardeio durante a Segunda Guerra Mundial.

A obra primígena é uma escultura em baixo relevo em pedra, feita em 1917 quando o artista morava na França. Foi concebida para homenagear os combatentes mortos na Primeira Guerra Mundial da cidade de Condé-sur-Noireau, na região da Baixa Normandia. Instalada na Igreja de Saint Martin, a Pietá de João Turin tem uma representação de Jesus Cristo e da Virgem Maria, rodeados por nomes dos soldados falecidos em combate.

Um fato curioso é que por quase 70 anos, a escultura foi dada como destruída por outro conflito, a Segunda Guerra Mundial, que devastou a cidade de Condé-sur-Noireau com uma série de bombardeios em 1944. A Igreja de Saint Martin foi parcialmente destruída, mas a Pietá conseguiu se manter intacta. No entanto, boa parte dos arquivos da cidade foram destruídos, apagando vestígios da existência da obra e sobre seu autor. A Pietá caiu no esquecimento.

O resgate de uma obra dada como perdida

Somente em 2013 confirmou-se que aquela era uma obra de João Turin. Samuel Lago, um dos detentores dos direitos autorais do artista, comenta que até aquele ano, a única referência sobre a Pietá era uma foto do acervo do pesquisador Saul Lupion de Quadros adquirido pela família Lago, que realizou um resgate da vida e obra de João Turin.

“Encontramos nos escritos deixados por Turin uma referência dele a uma obra que foi feita quando ele andava pela Normandia. Mas quando ele relatou isso cometeu um erro de grafia no nome da cidade. Então não se conseguia encontrá-la. O professor José Roberto Teixeira Leite, autor do livro ‘João Turin – Vida, Obra e Arte’, escreveu uma carta para algumas prefeituras da Normandia. Felizmente ele recebeu resposta da cidade de Condé-sur-Noireau que confirmou que estava lá uma obra assinada por Z.Turin, em vez de J.Turin, como ele costumava assinar. O ‘Z’ é a inicial de seu nome do meio, Zanin, o que dificultou um pouco mais a busca. Mas eles acharam que poderiam ser, mandaram resposta e de fato foi encontrada a Pietá”, relata Samuel Lago.

Com a identificação, foi iniciada uma ação para integrar a obra ao acervo do artista, com o trabalho de produção de um molde a partir da obra primígena, para que a Pietá pudesse ser reproduzida no Brasil. “Foi montada uma equipe multidisciplinar com um produtor brasileiro que morava na França na época, Odilon Merlin. Mandamos para lá o escultor brasileiro Elvo Betino Damo, que coordenou a moldagem no local. Depois disso, o molde foi transportado de navio para o Brasil, onde fizemos a primeira fundição inédita em bronze da Pietá”, relata. Todo esse processo foi registrado no documentário “A Pietá de João Turin”, dirigido por Fabrizio Rosa e produzido por Samuel Lago.

Obra em exposição permanente

Pietá exposta no Memorial Paranista, em Curitiba. (Foto: Maringas Maciel)

A Pietá está hoje entre as quase 100 obras de João Turin que podem ser apreciadas no Memorial Paranista (em Curitiba, Brasil), construído em homenagem ao artista pela Prefeitura de Curitiba como um espaço para preservação e difusão de obras de arte. Possui uma área interna de exposição permanente com 78 esculturas de Turin em tamanho original que foram doadas pela Família Lago (detentora dos direitos autorais do artista) e pela SSTP Investimentos, para o Governo do Estado do Paraná, que emprestou as obras à Prefeitura em regime de comodato.

Na área externa há um Jardim de Esculturas com mais 13 obras em bronze, que podem ser apreciadas pelo público que visitar o parque. Todas essas esculturas são ampliadas e algumas ganharam proporções heróicas. A maior de todas é Marumbi, com 3 metros de altura e aproximadamente 700 quilos. Outro espaço importante é uma fundição elétrica e moderna, que também foi doada pela Família Lago e SSTP Investimentos, substituindo uma antiga fundição que estava obsoleta.

Sobre João Turin

Em quase 50 anos de carreira, João Turin deixou mais de 400 obras. Há esculturas em locais públicos no Brasil e na França. Turin também está no acervo de arte do Vaticano. A escultura “Frade Lendo” foi entregue como presente do povo brasileiro para o Papa Francisco, em 2013, na primeira visita do pontífice ao Brasil.

Nascido em 1878 em Morretes, no litoral do estado do Paraná, João Turin veio ainda garoto para a capital Curitiba, iniciando seus estudos em artes, chegando a ser professor. Em 1905 foi para a Bélgica, onde se especializou em escultura. Depois passou 10 anos morando na França, até retornar ao Brasil em 1922, trazendo comentários elogiosos da imprensa francesa. Foi premiado no salão de Belas Artes do Rio de Janeiro em 1944 e 1947. Faleceu em 1949.

Em junho de 2014, seu legado foi prestigiado pelas 266 mil pessoas que visitaram “João Turin – Vida, Obra, Arte”, a exposição mais visitada da história do Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, que ficou em cartaz por 8 meses. Esta exposição também teve uma versão condensada, exibida em 2015 no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, e na Pinacoteca de São Paulo.

Serviço:

Memorial Paranista João Turin: Rua Mateus Leme, 4700 (Curitiba, Paraná).
Agendamento de visitas no site www.curitiba.pr.gov.br/memorialparanista
Redes sociais: @escultorjoaoturin e facebook.com/escultorjoaoturin
Documentário “A Pietá de João Turin”: https://www.youtube.com/watch?v=P7Xlh92EzSo
Vídeo com detalhes da moldagem: https://www.youtube.com/watch?v=LK5CVSCPo7U
Vídeo sobre o Memorial Paranista João Turin (legenda em inglês):https://youtu.be/wxxtuNEcOEM

A arte de João Turin é tema de cursos no Memorial Paranista

By | Geral | No Comments

Artista que foi um dos fundadores do movimento conhecido como Paranismo tem sua obra preservada por meio de exposição permanente e também por uma série de atividades artísticas para pessoas de todas as idades no Memorial Paranista

O legado artístico do escultor João Turin (1878-1949) está perpetuado no Memorial Paranista não apenas pela exposição permanente de cerca de 100 obras do artista no local, mas também através de cursos e oficinas que fazem referência a este importante nome da arte do Paraná. Turin, que foi um dos fundadores do movimento artístico conhecido como Paranismo (que buscava construir a identidade do estado do Paraná por meio da arte e de símbolos locais), se destacou criando esculturas e baixos relevos sobre animais selvagens, povos indígenas e reproduções de momentos históricos.

Construído no Parque São Lourenço pela Prefeitura de Curitiba, o Memorial Paranista conta com diversos espaços culturais e educativos. Os cursos e oficinas são realizados em um Liceu de Artes. A área interna de exposição tem 78 esculturas de João Turin em tamanho original que foram doadas pela Família Lago (detentora dos direitos autorais do artista) e pela SSTP Investimentos, para o Governo do Estado do Paraná, que emprestou as obras à Prefeitura em regime de comodato. Outro espaço importante é uma fundição elétrica e moderna, que também foi doada pela Família Lago e SSTP Investimentos, substituindo uma antiga fundição que estava obsoleta.

Foto: Daniel Castellano (SMCS)

Liceu de Artes

Desde o mês de outubro, o Liceu de Artes realiza diversas atividades artísticas gratuitas para pessoas de todas as idades. Entre elas está a oficina de escultura, direcionada para crianças, que se relacionam com técnicas básicas de modelagem feita com argila, um dos materiais mais utilizados por João Turin. Esta oficina tem sido oferecida ao público mensalmente, com algumas variações. No mês de dezembro, ela é realizada não só com crianças, mas também com seus pais, avós, ou outros parentes, com a proposta de estimular habilidades artísticas e a criatividade em grupos familiares de até 4 pessoas.

Em outra oficina, chamada “Imagens afetivas”, pessoas com mais de 60 anos entram em contato com suas memórias e experiências com o objetivo de se aproximarem das narrativas próprias de João Turin para desenvolver inspiração para produções artísticas com diversos materiais como fotografias, pinturas, gravuras e colagens.

A programação também contempla palestras relacionadas à obra do artista, como ocorreu em “Diálogos entre a escultura de João Turin e a fotografia na Illustração Paranaense”. De caráter acadêmico, essa palestra trouxe reflexões sobre as imagens no Paraná dos anos 1920, especialmente as esculturas de Turin e as fotos publicadas em uma revista daquela época.

“O trabalho desenvolvido no Liceu de Artes do Memorial Paranista João Turin é de imensa importância, pois permite que crianças, famílias, jovens, adultos e estudantes universitários tenham oficinas, palestras, atividades formativas e informativas acerca dos temas ligados às artes e à cultura. O próprio João Turin, como um dos professores fundadores da escola de Belas artes do Paraná certamente ficaria feliz em ver toda esta movimentação”, comenta Samuel Lago, um dos detentores dos direitos autorais de João Turin.

Inscrições

As inscrições para os cursos ocorrem no início de cada mês no site www.sympla.com.br/memorialparanista. As vagas são limitadas e as oficinas respeitam as regras sanitárias e os decretos municipais de combate à Covid 19. O uso de máscaras e o distanciamento entre pessoas é obrigatório. O limite de capacidade respeita o decreto municipal vigente no momento da oficina.

“As atividades no setor educativo do Memorial Paranista têm tido grande procura, especialmente as oficinas infantis. Notamos nas crianças uma curiosidade muito grande em relação às obras de João Turin, elas têm questionamentos muito contundentes sobre os processos de criação e de execução das peças. Aproveitamos essa curiosidade para trabalhar experiências que vinculem o acervo do Memorial ao imaginário infantil”, destaca Desiree Fabri, coordenadora do Memorial Paranista.

Exposição permanente

Inaugurado em maio de 2021 no Parque São Lourenço, o Memorial Paranista é um espaço de preservação e difusão de obras de arte em Curitiba. Possui um Jardim de Esculturas com 13 obras de João Turin em bronze, que podem ser apreciadas pelo público que visitar o parque. Todas essas obras são ampliadas e algumas ganharam proporções heróicas. A maior de todas é “Marumbi”, com 3 metros de altura e aproximadamente 700 quilos. O Memorial também conta com três edificações interligadas por uma galeria com cobertura de vidro. Para visitar a exposição de João Turin na parte interna é necessário fazer um agendamento através do site www.curitiba.pr.gov.br/memorialparanist

Sobre João Turin

Em quase 50 anos de carreira, João Turin deixou mais de 400 obras. Há esculturas em locais públicos de municípios paranaenses, no Rio de Janeiro e até na França, onde o artista tem exposta uma Pietá, feita em 1917. Turin também está no acervo de arte do Vaticano. A escultura “Frade Lendo” foi entregue como presente do povo brasileiro para o Papa Francisco, em 2013, na primeira visita do pontífice ao Brasil.

Nascido em 1878 em Morretes, no litoral do Paraná, João Turin veio ainda garoto para a capital Curitiba, iniciando seus estudos em artes, chegando a ser professor. Especializou-se em escultura na Bélgica. Retornou ao Brasil em 1922, trazendo comentários elogiosos da imprensa francesa. Foi premiado no salão de Belas Artes do Rio de Janeiro em 1944 e 1947. Faleceu em 1949.

Em junho de 2014, seu legado foi prestigiado pelas 266 mil pessoas que visitaram “João Turin – Vida, Obra, Arte”, a exposição mais visitada da história do Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, que ficou em cartaz por 8 meses. Esta exposição também teve uma versão condensada, exibida em 2015 no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, e na Pinacoteca de São Paulo.

Vídeo sobre o Memorial Paranista João Turin:

Memorial João Turin é destaque em portal italiano

By | Geral | No Comments

No aniversário de 143 anos do seu nascimento, o legado do escultor brasileiro ganha merecida homenagem, em âmbito internacional.

Num artigo detalhado e primorosamente escrito, publicado no portal italiano where.it, uma importante revista eletrônica de cultura, Giuliana D’Urso destacou as obras expostas nas instalações do Memorial Paranista, espaço criado em homenagem ao artista paranaense João Turin, em Curitiba. O artigo ganha destaque extra, já que foi publicado na data de aniversário de Turin, que nasceu em 21 de setembro de 1878, em Porto de Cima, Morretes.

Além das onças, que colocam Turin entre os maiores escultores animalistas da história, o artigo destaca a temática indígenas, mostrando a relevância dos símbolos da terra natal na obra do artista. Em um dos trechos, Giuliana escreve:

“O índio de Turin não é um personagem idealizado, mas um homem rude, simples e concreto, que luta com toda sua a força e orgulho contra o estrangeiro que quer conquistar a sua terra”.

Leia a matéria na íntegra, publicada em italiano.

Clipping sobre o Memorial Paranista

By | Geral | No Comments

Veja a lista de veículos que publicaram matérias a respeito da inauguração do Memorial Paranista e Jardim de Esculturas João Turin.

Data: 10/05/2021        Veículo: Amo Curitiba

Memorial em homenagem ao artista João Turin é inaugurado em Curitiba, reunindo quase 100 obras

Data: 10/05/2021        Veículo: Curitiba de Graça

Memorial em homenagem ao artista João Turin tem mais de 100 obras no Parque São Lourenço

Data: 10/05/2021        Veículo: Paranashop

Memorial em homenagem ao artista João Turin é inaugurado em Curitiba, reunindo quase 100 obras

Data: 11/05/2021        Veículo: Massa News

Reunindo quase 100 obras, memorial em homenagem ao artista João Turin será inaugurado

Data: 13/05/2021        Veículo: Bem Paraná | Coluna do Miau | Impresso

Curitiba respira arte    

Data: 13/05/2021        Veículo: Folha de Londrina | Impresso

Curitiba ganha Memorial Paranista

Data: 12/05/2021        Veículo: Alice Varajão

Memorial em homenagem ao artista João Turin será inaugurado

Data: 12/05/2021        Veículo: Bem Paraná

Memorial em homenagem ao artista João Turin será inaugurado nesta sexta. Veja vídeo

Data: 12/05/2021        Veículo: Bem Paraná | Coluna do Miau

Curitiba respira arte

Data: 12/05/2021        Veículo: Hashtag Curitiba

Memorial em homenagem ao artista João Turin é inaugurado em Curitiba, reunindo quase 100 obras

Data: 14/05/2021        Veículo: Bem Paraná | Impresso

Curitiba abre memorial em homenagem ao artista João Turin no São Lourenço               

Data: 13/05/2021        Veículo: Reinaldo Bessa

Memorial em homenagem a João Turin será inaugurado oficialmente nesta sexta-feira no Parque São Lourenço

Data: 13/05/2021        Veículo: Das Artes

Memorial em homenagem a João Turin é inaugurado com quase 100 obras

Data: 13/05/2021        Veículo: Barulho Curitiba

Curitiba abre memorial em homenagem ao artista João Turin no São Lourenço

Data: 13/05/2021        Veículo: Bem Paraná

Curitiba abre memorial em homenagem ao artista João Turin no São Lourenço

Data: 14/05/2021        Veículo: AEN

Memorial Paranista João Turin é inaugurado com obras cedidas pelo Estado

Data: 14/05/2021        Veículo: Supinando

Memorial Paranista João Turin é inaugurado com obras cedidas pelo Estado

Data: 14/05/2021        Veículo: RIC TV

MEMORIAL PARANISTA REÚNE OBRAS DO ARTISTA PARANAENSE JOÃO TURIN

Data: 14/05/2021        Veículo: RIC | PR no Ar

Memorial Paranista reúne obras do artista paranaense e promove a arte

Data: 14/05/2021        Veículo: RPC | Bom Dia PR

Inauguração do memorial paranista João Turin acontece em Curitiba

Data: 14/05/2021        Veículo: RPC | Meio Dia PR

Memorial Paranista João Turin é inaugurado hoje (14)

Data: 15/05/2021        Veículo: Prefeitura de Curitiba

Novo espaço no São Lourenço exalta paranismo de João Turin

Data: 15/05/2021        Veículo: Massa News

Espaço no São Lourenço exalta paranismo de João Turin

Data: 15/05/2021        Veículo: Jornal Água Verde

Curitiba ganha um novo espaço cultural, no Parque São Lourenço

Data: 15/05/2021        Veículo: Defesa

Novo espaço no São Lourenço exalta paranismo de João Turin

Data: 15/05/2021        Veículo: Curitiba News

No São Lourenço, Curitiba ganha um novo espaço cultural

Data: 15/05/2021        Veículo: Café da Boca

Parque São Lourenço ganha um novo espaço cultural e turístico

Data: 15/05/2021        Veículo: Bem Paraná

Novo espaço inteligente da cidade, Memorial Paranista terá visitas agendadas

Data: 15/05/2021        Veículo: Bem Paraná

Curitiba ganha um novo espaço cultural no São Lourenço

Data: 16/05/2021        Veículo: Jornal do Povo PR

Memorial em homenagem ao artista João Turin é inaugurado em Curitiba, reunindo quase 100 obras

Data: 16/05/2021        Veículo: Revista Museu

Memorial Paranista João Turin é inaugurado com contribuição de obras cedidas pelo Estado

Data: 20/05/2021        Veículo: Farol da Bahia

Legado do artista João Turin pode ser apreciado em um dos maiores jardins de esculturas do Brasil e em memorial que reúne quase 100 obras


Data: 23/05/2021        Veículo: Divirta-se Curitiba

Legado do artista João Turin pode ser apreciado em um dos maiores jardins de esculturas do Brasil

Data: 28/05/2021        Veículo: Pernambuco em Foco

Memorial Paranista, em homenagem ao artista João Turin, reúne quase 100 obras

Data: 31/05/2021        Veículo: Kátia Velo

Legado do artista João Turin pode ser apreciado em um dos maiores jardins de esculturas do Brasil e em memorial que reúne quase 100 obras

Data: 01/06/2021        Veículo: Revista Área

Com Memorial Paranista, Curitiba ganha um dos maiores jardins de esculturas do país

Data: Julho/2021        Veículo: Art Connect

João Turin on Memorial Paranista – permanent exhibition

Data: 13/07/2021        Veículo: Prefeitura de Curitiba

Exposição de João Turin no Memorial Paranista é destaque em publicação alemã

Tour virtual: conheça as instalações completas do Memorial Paranista

By | Geral | No Comments

Espaço será inaugurado oficialmente em cerimônia para convidados no Parque São Lourenço.

Assista o vídeo produzido especialmente para a inauguração do Memorial Paranista e do Jardim de Esculturas João Turin.

O Parque São Lourenço é um dos cartões postais de Curitiba. Ele acaba de ganhar um novo espaço: o Memorial Paranista João Turin, que guarda a memória do Paranismo. Ele é um movimento que exalta a identidade do estado do Paraná por meio de símbolos locais como o pinheiro, os pinhões e a erva-mate.

As novas instalações carregam o legado de um dos criadores e grande expoente desse movimento. Trata-se do artista João Turin, que se destacou principalmente como escultor. Ele criou esculturas e baixos relevos sobre animais selvagens, povos indígenas e reproduções de momentos históricos.

Memorial Paranista expõe obras do escultor paranaense, um dos idealizadores do Paranismo. (Foto: Maringas Maciel)

Estes e outros temas podem ser vistos em 78 obras abrigadas no Memorial Paranista João Turin. Além disso, também foi construído um jardim com 15 esculturas de bronze ampliadas. Duas delas ganharam proporções heroicas, como “Marumbi”, com quase 3 metros de altura e 700 quilos. Esta escultura representa com realismo a luta de duas onças. E mostra porque João Turin também é lembrado como um dos mais importantes escultores animalistas do Brasil.

Outro destaque é uma Pietá em baixo relevo, gentilmente emprestada pela Família Lago, detentora dos direitos autorais de João Turin. Esta é uma obra de 1917, e o primeiro exemplar está na França, feito para a Igreja de Saint Martin, em Condé-sur-Noireau. É uma verdadeira relíquia, que resistiu aos bombardeios da guerra.

joão turin
A Pietà, de João Turin, originalmente criada para homenagear combatentes franceses mortos na Primeira Guerra, agora ornamenta um dos espaços do Memorial. (Foto: Maringas Maciel)

A iniciativa reuniu quase 100 obras de Turin graças a uma junção de esforços. Das 15 esculturas ampliadas, 12 foram compradas pela Prefeitura de Curitiba. As outras 3 foram doadas pela Companhia Paranaense de Energia (Copel), por meio da Lei Rouanet. 78 esculturas em tamanho original foram doadas pela Família Lago para o Governo do Estado do Paraná, que emprestou as obras à Prefeitura em regime de comodato.

A Família Lago também doou uma fundição elétrica e moderna ao memorial, que substituiu uma antiga fundição existente no local, que estava obsoleta. Essa é uma doação de grande valor para novos artistas. Eles poderão fundir as peças que produzem e estimular a arte da escultura no Paraná.

O Memorial Paranista João Turin é um presente de Curitiba pelo aniversário de 328 anos da cidade. Quem visitar o Parque São Lourenço poderá apreciar as obras de João Turin e conhecer mais sobre sua contribuição para o legado artístico do Paraná.

No local, uma placa resume a importância do artista, nas palavras da Família Lago: “A arte de João Turin corre nas veias de todos que aqui vivem e amam esta terra. O Paranaense se vê pelos olhos de Turin que, inspirado por nossa fauna e flora, elevou a observação da natureza em identidade e sentimento de pertencimento.”

João Turin

João Turin na mídia: matéria destaca o Memorial Paranista

By | Na mídia | No Comments

A reportagem da revista TOP VIEW publicada no dia 29 de março, aniversário de 328 anos da capital paranaense, deu destaque ao novo espaço criado no Parque São Lourenço e reconhece Turin como um dos principais escultores brasileiros. Leia abaixo o texto na íntegra. (Crédito da foto em destaque: Guilherme Klock)

De Curitiba para o mundo

João Turin, escultor paranaense, ganhou destaque em uma revista internacional especializada em artes com o Memorial Paranista, espaço no Parque São Lourenço, localizado em Curitiba

Memorial Paranista é um novo espaço público, no tradicional Parque São Lourenço, localizado na região norte de Curitiba. O espaço é destinado a homenagear o Paranismo, movimento que surgiu no início do século XX com o objetivo de enaltecer os símbolos do Paraná e contou com a participação de intelectuais e artistas que cultuavam e divulgavam a história e as tradições do estado.

Lá também está o Jardim das Esculturas, de João Turin, projetado pelo jovem arquiteto Guilherme Klock junto com Fernando Canalli – inaugurado no final de 2020. Nele, estão 15 obras de Turin, todas em bronze.

Na segunda quinzena de janeiro de 2021, o Memorial e o escultor paranaense foram destaque na The Art Newspaper, revista de origem europeia especializa em arte que possui sucursais em várias partes do mundo. Segundo a publicação internacional, “o local vai encorajar o turismo e o desenvolvimento sustentável, com valorização da flora e fauna brasileiras – temas recorrentes do trabalho de Turin”.

“O novo acesso ao Memorial Paranista ergue-se como uma grande galeria em aço e vidro translúcido, que pede licença ao conjunto existente para conduzir a uma nova experiência e produzir uma sinergia capaz de organizar os espaços, distribuir as funções, orientar osvisitantes e conduzir às artes da fundição e à compreensão de nossos maiores mestres e das artes da proporção, modelagem e técnica”, diz Canalli.

Para Klock, há uma união da cultura com o meio ambiente nesse espaço. “Dessa forma, ressignificamos claramente a união indissociável do meio ambiente com a paisagem urbana fundida pela arte, por meio do Jardim das Esculturas, que insere definitivamente o conceito da obra do Movimento Paranista”, afirma.

Um dos grandes destaques do espaço é a obra Marumbi, que retrata duas onças em luta, e é uma das maiores feitas por Turin, com três metros de altura por quase três de largura. A peça possui, ainda, um metro de profundidade e cerca de 700 kg. O nome é uma referência ao Parque Estadual do Pico do Marumbi, um patrimônio mundial da Unesco, localizado em Morretes, litoral do Paraná.

Além de Marumbi, há, ainda, o Índio Guairacá II, Homem-Pinheiro, Pedagogia, Índio Guairacá I, Caridade, Onça Brincando com Filhote, Onças Brincando, Onça Espreita II, Fundação de Curitiba, Onça Descansando e Onça Espreita I.

Quem visitar a área dedicada ao movimento pode conhecer, também, um teatro, um café, uma loja com souvenirs de Curitiba, um centro de criatividade, um memorial dos fundadores da Escola de Belas Artes do Paraná, uma capela em memória às vítimas da Covid-19 e, na galeria, exposições permanentes – como a de 78 esculturas originais de Turin, feita com apoio do Museu Oscar Niemeyer.

O artista

Ícone do Movimento Paranista, criador da Escola de Música e Belas Artes do Paraná e considerado precursor da escultura no estado, João Turin nasceu em 1878, na cidade de Morretes (PR). O artista iniciou seus estudos acadêmicos em Curitiba, na Escola de Artes e Ofícios de Antônio Mariano de Lima. Com 18 anos, já fazia parte do quadro de professores da instituição. Todo esse talento no mundo das artes fez com que ele recebesse uma bolsa de estudos do estado para estudar na Real Academia de Belas-Artes de Bruxelas, na Bélgica.

Quando retornou ao Brasil, no início da década de 1920, fixou-se em Curitiba e passou a produzir um grande número
de monumentos, estátuas e bustos, aprimorando a técnica adquirida na Europa, que o consagrou como um dos mais importantes artistas do Paraná.

Em 1923, ao lado dos pintores João Ghelfi e Lange de Morretes, idealizou o chamado “estilo paranista de ornamentação arquitetônica”, que baseou-se na estilização de elementos da fauna e da flora do estado do Paraná, como capitéis, ânforas, floreiras e outros objetos.

Turin continuou sua formação e aperfeiçoamento, com influências simbolistas muito fortes, assim como Art Nouveau e Art Déco. A renovação estética do início do século XX não mudou sua forma de manifestar sua arte e ele deixou um grande legado de monumentos, bustos e retratos, sejam eles da própria natureza ou representações de animais. Boa parte desse acervo está conservado na Casa João Turin, em Curitiba.

Seus tigres são conhecidos no Brasil e, sobretudo, no Rio de Janeiro, onde estão o busto de Barão do Rio Branco, no Jardim do Méier, e o busto Emílio de Menezes, no Largo do Machado. Obrasdele também podem ser vistas na Praça General Osório e na Quinta da Boa Vista.

O artista faleceu em 1949 e deixou um acervo completo de moldes em gesso, como a obra As Quatro Estações, que foi reproduzida em bronze e posteriormente retocada pelo escultor Erbo Stenzel.

Toda a dedicação do artista o ajudou a conquistar os mais importantes prêmios do Salão Paranaense, do Salão Paulista e do Salão Nacional de Belas Artes, o que consagrou sua obra e colocou o Paraná em destaque no cenário nacional.

Trajetória

1878 

• Nascimento do artista, em 21 de setembro, em Porto de Cima, região de Morretes, Paraná.

1890 

• Turin passou a ajudar no sustento de sua família.

• Aprendeu a entalhar madeira e começou a fazer testes, produzindo cabeças de Cristo, de seu pai e de Garibaldi.

 1896

• Apareceu nos anais da Escola de Artes e Indústria como aluno-professor.

 1905

• Submeteu uma petição à Assembleia Estadual para estudar escultura no Rio de Janeiro ou na Europa. O artista conseguiu uma bolsa de 100 mil réis mensais e optou por estudar em Bruxelas.

1906

• Chegou em Bruxelas doente e depressivo e foi acolhido pelo escultor Zaco Paraná.

• Matriculou-se na Academia Real de Belas Artes, onde foi aluno de Paul Dubois, Victor Rousseau e Charles Van der Stappen.

 1910

• Formou-se e, em seguida, foi embora para Paris

1914

• Com João Ghelfi, alugou um ateliê em Montparnasse, onde iniciou suas atividades como escultor independente.

• Participou do Le Salon des Artistes Français do ano, com o busto de Lèon-Mac-Auliffe.

1919

• Passou a integrar a equipe do escultor Eugéne Molineau.

• Formou-se e, em seguida, foi embora para Paris.

1914

• Com João Ghelfi, alugou um ateliê em Montparnasse, onde iniciou suas atividades como escultor independente.

• Participou do Le Salon des Artistes Français do ano, com o busto de Lèon-Mac-Auliffe.

1919

• Passou a integrar a equipe do escultor Eugéne Molineau.

*Matéria originalmente publicada no Caderno Especial Curitiba 328 anos, na edição #247 da revista TOPVIEW.

Clipping – Memorial João Turin

By | Geral | No Comments

Confira a lista de veículos que deram destaque à entrega das últimas três obras que compõem o acervo do Jardim de Esculturas, no Memorial Paranista, em Curitiba/PR

Veículo: Blog do Tupan
Jardim das Esculturas recebe mais três obras de João Turin

Veículo: Jornale
Jardim das Esculturas recebe mais três obras de João Turin

Veículo: Prefeitura de Curitiba
Jardim das Esculturas recebe mais três obras de João Turin

Veículo: Bem Paraná
Jardim das Esculturas do Parque São Lourenço recebe mais obras de João Turin

Veículo: Agora PR
Jardim das Esculturas recebe mais três obras de João Turin

Memorial Paranista é destaque no The Art Newspaper

By | Geral | No Comments

Publicação internacional exaltou a iniciativa que valoriza o legado do escultor paranaense João Turin

O espaço dedicado ao maior representante animalista brasileiro – João Turin – foi destaque no site do The Art Newspaper, uma das publicações mundiais mais conceituadas do universo da arte.

the arte newspaper

Confira a publicação original, em inglês, pelo link: https://www.theartnewspaper.com/news/brazilian-sculptor-joao-turin-memorialised-with-sculpture-park-in-parana

Abaixo, a tradução do texto:

Escultor brasileiro João Turin é homenageado com parque de esculturas no Paraná

O local vai “estimular um desenvolvimento sustentável que valorize a fauna e a flora do meio ambiente brasileiro – temas aos quais Turin dedicou sua vida”, afirma o colecionador e empresário Samuel Lago.

O falecido escultor brasileiro João Turin, pioneiro do movimento do Paranismo que buscou forjar uma identidade visual para o estado subtropical do Paraná na década de 1920, será homenageado com um parque de esculturas que visa exaltar suas contribuições à arte brasileira.

Em um momento em que as comunidades indígenas e a floresta tropical brasileira estão cada vez mais ameaçadas sob o governo do presidente de extrema direita Jair Bolsonaro, a obra de Turin ganha uma nova pertinência por sua “inspiração a temas de natureza e cultura nativa”, diz Samuel Lago, o empresário brasileiro que detém os direitos sobre seu arquivo e iniciou o projeto.

Além da preservação cultural, o local também servirá para “incentivar o turismo, trazer mais recursos para a cidade e estimular um desenvolvimento sustentável que valorize a fauna e a flora do meio ambiente brasileiro – temas aos quais Turin dedicou sua vida”, diz Lago.

A peça central do memorial no Parque de São Lourenço é a escultura de 10 pés (3 metros) de altura Marumbi, que mostra duas onças em combate e leva o nome do Parque Estadual do Pico do Marumbi, um Patrimônio Mundial da Unesco onde espécies nativas historicamente enfrentaram a perda de habitat devido a extração ilegal de madeira e mineração. Todo o parque de esculturas terá 78 obras quando for inaugurado no final de março, e cerca de uma dezena de esculturas já estão em exibição.

Turin nasceu em 1878 em Porto de Cima no estado do Paraná e mudou-se ainda criança para Curitiba, onde trabalhou como ferreiro e marceneiro antes de se aprimorar na escultura. Recebeu bolsa do governo em 1905 para cursar a Academia de Artes de Bruxelas, na Bélgica e viajou pela Europa até desembarcar em Paris em 1911, onde morou e trabalhou com outros artistas brasileiros, como o escultor Victor Brecheret e o pintor Tulio Mugnaini.

Embora haja poucos registros conhecidos de sua produção durante seus anos em Paris, Turin muitas vezes expôs no Salon des Artistes Français, onde obteve uma menção honrosa, e conheceu Auguste Rodin, a quem mais tarde retratou em baixo-relevo. Ao retornar ao Paraná em 1922, o artista – então fortemente inspirado pela escultura simbolista francesa – embarcou na era mais prolífica de sua carreira, produzindo centenas de figuras de gesso e bronze de temas brasileiros emblemáticos, particularmente muitas representações agudamente observadas da cultura indígena e de animais nativos.

“A arte dele está na veia de cada paranaense, marcando uma parte importante da história e da identidade do povo”, diz Lago. “E na escultura animalista – que foi elevada ao status de grande arte no século 19 por artistas como o francês Antoine-Louis Barye – Turin é um dos escultores mais importantes entre os brasileiros.”

A grande retrospectiva João Turin: Vida, Obra, Arte, no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, foi uma das mostras mais visitadas do mundo em 2014, atraindo mais de 266 mil visitantes, segundo pesquisa realizada pelo The Art Newspaper. O museu Pinacoteca em São Paulo também realizou uma grande exposição dedicada à obra de Turim em 2016, que explorou suas contribuições essenciais para o movimento do Paranismo e sua carreira, que durou quase cinco décadas.

Turin também alcançou vários marcos póstumos. Em 2015, sua escultura O Frade (por volta dos anos 1930) foi entregue ao Papa Francisco pela ex-presidente Dilma Rousseff na primeira visita do pontífice ao Brasil. A estátua, que retrata um frade lendo um livro, é um raro exemplo de um artista brasileiro mantido na coleção de arte do Vaticano.

Turin morreu em 1949, mas seu legado “ajudou a compor o mosaico das diversas manifestações artísticas que se desenvolveram no Brasil nas décadas seguintes, quando intelectuais, letrados e artistas desempenharam papéis fundamentais para se tornarem os principais arquitetos da identidade cultural”, diz Lago.

Lago, que mora em Curitiba e se autodenomina admirador da obra de Turin, adquiriu o arquivo do artista em 2011, que contém 360 obras de gesso, pinturas, fotografias, esboços, cartas e outros materiais. Lago espera tornar a obra de Turin mais visível no Brasil e no exterior e pretende expandir o acervo com obras inéditas em bronze a partir de maquetes de gesso, algumas que serão doadas à Casa João Turin, museu dedicado ao artista em Curitiba.

Marumbi é a primeira escultura instalada no Memorial Paranista

By | Geral | No Comments

Obra com 3 metros de altura é destaque no espaço criado em homenagem a João Turin

Dia 19 de dezembro é a data escolhida para a inauguração oficial do Memorial Paranista João Turin, no Parque São Lourenço. A equipe responsável pela entrega trabalha, agora, nos detalhes: limpeza, acabamento, jardim e na instalação das esculturas que começam a chegar ao espaço.

Na quarta-feira, dia 16, foi instalada a primeira escultura no memorial: a Marumbi. Com 3 metros de altura e cerca de 800 quilos, a peça teve de ser içada para ser colocada na base definitiva, localizada em frente a galeria interna, onde serão expostas mais de 90 obras do escultor paranaense.

A imponente Marumbi de 3 metros de altura. (Foto: Maringas Maciel)

Marumbi

A Marumbi esculpida originalmente por Turin em meados da década de 1930, tem apenas 42 centímetros de altura, porém uma representatividade imensa, sendo uma das mais importantes na produção animalista do artista. Nela, duas onças de corpos musculosos em embate mortal, dispostas em formato de pirâmide, reproduzem os contornos e a solidez do pico Marumbi, conjunto montanhoso localizado em Morretes, vista comum do menino Turin, que até hoje atrai milhares de aventureiros anualmente.

João Turin, em seu ateliê, junto da escultura Marumbi. (Foto: Acervo Ateliê João Turin)

Pela ótica do simbolismo, um dos movimentos também abraçados por Turin durante sua vida, a imagem representa a força da terra e do povo paranaense.

A peça foi ampliada junto de outras do acervo, como o Índio Guairacá, que também ganhará posição de destaque no jardim de esculturas João Turin – espaço externo do Memorial Paranista. Ao total, 12 esculturas em formato ampliado vão compor o jardim de esculturas.

Memorial João Turin é destaque no site da revista DASartes

By | Geral, Na mídia | No Comments

Matéria destaca o espaço a ser inaugurado em dezembro, em homenagem ao escultor paranaense

Leia a íntegra da notícia sobre o Memorial Paranista, publicada no site da revista DASartes. O periódico que há mais de 12 anos atua publicando notícias e matérias sobre o cenário artístico global, destaca o novo espaço dedicado ao escultor João Turin, em Curitiba.

A matéria também pontua a doação do maquinário da fundição do ateliê do artista à prefeitura da cidade. Totalmente elétrica e ambientalmente correta, ela irá substituir a fundição pública atual, que encontra-se obsoleta.

Além disso, o texto joga luz sobre a importância e contribuição do conjunto da obra do Turin à arte brasileira, falando do seu passado e também do resgate histórico feito recentemente em sua memória.

Obras do Memorial Paranista João Turin, no Parque São Lourenço, em Curitiba.